Comportamento de namoro na adolescência

A experiência de namoro, assim como os demais relacionamentos da adolescência, deve ser colocada dentro de um contexto mais amplo. Isto porque existe uma série de profundas mudanças que o adolescente começa a descobrir nessa fase e que, embora todas elas possam ser fascinantes e positivas, devem ocorrer dentro de um ritmo de normalidade e sem qualquer agressão ou violência sobre o seu ... Adolescência significa “fazer-se” homem/mulher, crescer na maturidade. É a etapa da vida marcada por desequilíbrios e instabilidades extremas: momentos de euforia, reclusão, audácia e timidez, passividade ou urgência, mudanças rápidas de interesse por um assunto ou, ao mesmo tempo, conflitos afetivos, crises religiosas (não ter religião ou ser fervoroso em sua crença), dúvidas ... Bem, cuidado. Cuidado é a palavra do dia quando se trata de namoro na adolescência. Na maioria das vezes, você não vai estar amando: a probabilidade de ser apenas hormônios e adrenalina é bem alta. Embora certamente isso não soe como uma boa notícia, é importante lembrar que namoro na adolescência não é fácil. Namoro na adolescência: veja como a família pode lidar com o tema Tempo de leitura estimado: 6 min. 08 /jul Como o tema “namoro na adolescência” pode ser tratado entre pais e filhos e quais são os principais desafios vivenciados nessa etapa. Em mais de vinte anos ajudando jovens percebi como é importante orientar muito bem nossos adolescentes (talvez alguns aqui não tenham isso de idade ainda) ao longo dos anos não tenho encontrado bons motivos para apoiar o namoro na adolescência. Muitos jovens hoje não conseguem viver um romance saudável ou não possuem uma vida emocional ... Um namoro na adolescência sempre é motivo para apreensão por parte dos pais, mas você precisa confiar na educação que deu ao(à) seu(sua) filho(a). Se você tem uma relação de confiança com ele(a) desde a infância, deve encarar esse momento como um passo natural no crescimento do adolescente e manter uma proposta de respeito mútuo.

Meus pais acham que eu sou gay

2020.07.29 20:42 AlvagorH Meus pais acham que eu sou gay

(Postei primeiro no desabafos, mas resolvi postar aqui também)
O relato pode ser um pouco longo, mas talvez seja engraçado (ou não).
Pois bem... senta que lá vem história.
Eu sou homem (ah vá), e desde sempre fui muito "sossegado". Não costumo ir pra festas, não bebo, não fumo. Sou bem caseiro e não sou de falar muito. Fui beijar uma menina pela primeira vez (e única desde então), aos 16, quase 17 (vou completar 21 muito em breve). Meus pais ficaram sabendo logo de cara, pois eu virei notícia na escola. O nerdão quieto e ranzinza da sala "pegando" a novinha da outra sala (ela era de um ano anterior ao que eu estava). Uma prima fofoqueira estudava na mesma sala que eu, então a notícia chegou em casa antes de mim.
Até então, eu nunca tinha notado nada de estranho nos meus pais. Eu notava alguns comentários homofóbicos deles as vezes, quando aparecia alguma notícia na televisão. "Ator famoso se declara gay", aí minha mãe "Nossa, que dó. Um homem tão bonito desses ser gay". Ou, no caso do meu pai "Eu tinha um professor que era bicha, mas era muito competente ensinando". Nessa época eu não ligava muito, pois até meados dos meus 14 anos (quando entrei no ensino médio em outra escola e em outra cidade), eu só conhecia duas pessoas que eram homossexuais e assumiam, e eu não gostava deles.
Eram dois caras muito barraqueiros e barulhentos, que zoam todo mundo. Basicamente, é o tipo de comportamento que eu sempre preferi evitar. Eu sou bastante tímido, então ter amigos próximos que chamem a atenção sempre foi bastante negativo pra mim. Logo, durante um bom tempo eu fiz a associação idiota "gays = chatos e barulhentos" e passei a evitar eles. Isso mudou bastante quando eu mudei de escola, onde as pessoas tinham valores bastante diferentes do qual eu estava acostumado. Foi um processo longo, mas o preconceito que eu tinha foi diminuindo aos poucos. Mais ou menos nessa época do ensino médio, eu comecei a me incomodar com os comentários dos meus pais, mas sempre ficava na minha para não causar confusão.
Voltando ao dia que eu perdi o BV. Bom, eu era um adolescente com muita testosterona sobrando e beijei uma menina e pude apalpar uma bunda diferente da minha sem tomar um tapão na cara. Até então, tava tudo indo muito bem. Eu era bastante amigo dessa pessoa antes de ficarmos, então eu já gostava bastante dela e me iludi muito com o rumo das coisas. Pensei que daria certo, que começaríamos a namorar e tal. Até sobre o nome de cachorros a gente falava hahahah.
Mas, a guria tinha outros planos, tava apenas curtindo o momento e logo passou pra outra. Durou um mês e meio ou dois. Então, após um ""chifre"" colossal, já que ela ficou com o ex e passou o rodo na escola ao mesmo tempo em que ficava comigo, a gente parou de se falar. De um jeito imaturo, talvez, pois eu juntei todas as minhas frustrações e joguei na cabeça dela, sendo que ela já havia deixado claro que a gente não tinha nada sério e eu continuava insistindo.
É claro que, graças a minha querida prima fofoqueira, meus pais souberam que eu e a fulaninha não estávamos mais nos falando, e mesmo assim perguntavam sobre ela em toda oportunidade que tinham. Nisso, eu ouvi alguns comentários estranhos da minha mãe, ela dizia que na escola onde eu estava tinham muitas pessoas que namoravam gente do mesmo sexo e eu tinha que tomar cuidado. Eu estranhei, mas como sou lerdo, não entendi na hora, e resolvi conversar sobre isso com um amigo.
Quando eu percebi que as coisas não estavam indo bem (ainda durante aquele mês e meio), eu usava bastante as redes sociais e conheci um cara que aguentou meus desabafos por bastante tempo, sempre me dando conselhos (e umas broncas haha). Eu comentei sobre a fala da minha mãe com ele e ele respondeu "Menino, a sua mãe acha que você é gay". Eu comecei a rir horrores naquela hora, mas também fiquei bastante inconformado. Eu me perguntava "Por que?". Não que isso me afetasse, eu sempre achei graça e vez ou outra eu conto esse fato pra algum amigo. Sempre ficou a incógnita sobre o porque que os meus pais pensavam isso, e ela ainda existe porque recentemente um cara demorou para acreditar que eu não sou gay, e eu e uma amiga rimos muito dessa situação.
Esse amigo que aguentava meus desabafos é gay. É o primeiro amigo homossexual que eu tive e a primeira pessoa sobre quem eu conversei abertamente sobre sexualidade. Ele é bastante interessado por ciência e psicologia, assim como eu, e me ensinou não só o lado social (a experiência dele sendo gay, descobrindo que gostava de homens e toda a confusão que isso gerou na sua infância/adolescência), como o lado científico da coisa, Escala de Kinsey, Freud e afins. Nessas conversas, eu tive a certeza de que sou hétero, mas acabo não me comportando como é esperado de um.
Tenho muitos primos na casa dos 20, quase todos namorando e alguns morando junto e quase casando com alguém. Vão pra festas, bebem, fumam, dão dor de cabeça pra família. As vezes um namoro termina e sempre aparece um agregado novo depois de um tempo, em média eu tenho um "primo" ou "prima" nova por um ano e meio, no máximo dois. Aí, passa alguns meses e o ciclo se repete.
E eu aqui, o primo solteiro que estuda e não traz menina nenhuma pra casa (salvo em raras ocasiões quando a minha melhor amiga aparece aqui) nem nas reuniões de família. O primo estranho que compartilha muitos posts pró-feminismo e contra homofobia. Cansei de ouvir perguntas sobre namoradas vindo de tios e até da minha avó materna.
Acho que algumas pessoas até pensam que eu escondo alguma coisa dos meus pais. Uma vez eu fui em um churrasco na casa de um amigo e a mãe dele me pediu ajuda para fazer uma mistureba alcoólica qualquer, eu disse que não sabia como fazer e ela não acreditou. Meu amigo precisou ser "testemunha" de que eu não bebo nada e que estava lá só pelo churrasco mesmo hahahaha
E aqui, temos duas cerejas nesse bolo.
A primeira é que o meu melhor amigo, o qual eu conheço desde a segunda série, há pelo menos 14 anos, começou a trabalhar na mesma empresa que a minha mãe. Ele é uma pessoa que eu costumo passar bastante tempo junto, já que nós fazemos trilhas de bike (ou fazíamos, antes da pandemia começar). Como a minha cidade tem grandes áreas verdes, essas trilhas demoram porque a gente sempre tenta explorar um caminho novo. Enfim, durante o trabalho dele, por algum motivo surgiu o boato de que ele é gay. Eu não sei nada sobre isso, ele próprio nunca me disse nada, e nós conversamos sobre muita coisa. Mas a minha mãe veio correndo me contar quando esse boato surgiu. Ela deve ter "adorado" somar 1+1 nessa ocasião.
A outra é meu pai. Tão preocupado em fazer comentários e cuidar da sexualidade dos outros, adorador do capitão cloroquina, e outro dia eu precisei fazer algo no celular dele e percebi que tinha uma aba aberta naquele site com X, e na barra de pesquisas estava escrito, adivinhem? "Bicha" hahahahahaha
Bom, como eu disse, não me incomoda o fato de acharem que eu sou gay. Não faz diferença nenhuma pra mim, na verdade, eu faço piada com isso e boa. O que me afeta nessa história é que eu tenho agora muitos amigos que são "Do Vale" e eu sinto que nunca vou poder convidar eles para me visitar aqui em casa. Tenho medo que ouçam alguma merda aqui.
Enfim, é isso. A quarentena está me fazendo sentir a necessidade de desabafar sobre alguns assuntos e esse foi um deles. Obrigado por ler até o final.
submitted by AlvagorH to sexualidade [link] [comments]


2020.07.29 20:24 AlvagorH Meus pais acham que eu sou gay

O relato pode ser um pouco longo, mas talvez seja engraçado (ou não).
Pois bem... senta que lá vem história.
Eu sou homem (ah vá), e desde sempre fui muito "sossegado". Não costumo ir pra festas, não bebo, não fumo. Sou bem caseiro e não sou de falar muito. Fui beijar uma menina pela primeira vez (e única desde então), aos 16, quase 17 (vou completar 21 muito em breve). Meus pais ficaram sabendo logo de cara, pois eu virei notícia na escola. O nerdão quieto e ranzinza da sala "pegando" a novinha da outra sala (ela era de um ano anterior ao que eu estava). Uma prima fofoqueira estudava na mesma sala que eu, então a notícia chegou em casa antes de mim.
Até então, eu nunca tinha notado nada de estranho nos meus pais. Eu notava alguns comentários homofóbicos deles as vezes, quando aparecia alguma notícia na televisão. "Ator famoso se declara gay", aí minha mãe "Nossa, que dó. Um homem tão bonito desses ser gay". Ou, no caso do meu pai "Eu tinha um professor que era bicha, mas era muito competente ensinando". Nessa época eu não ligava muito, pois até meados dos meus 14 anos (quando entrei no ensino médio em outra escola e em outra cidade), eu só conhecia duas pessoas que eram homossexuais e assumiam, e eu não gostava deles.
Eram dois caras muito barraqueiros e barulhentos, que zoam todo mundo. Basicamente, é o tipo de comportamento que eu sempre preferi evitar. Eu sou bastante tímido, então ter amigos próximos que chamem a atenção sempre foi bastante negativo pra mim. Logo, durante um bom tempo eu fiz a associação idiota "gays = chatos e barulhentos" e passei a evitar eles. Isso mudou bastante quando eu mudei de escola, onde as pessoas tinham valores bastante diferentes do qual eu estava acostumado. Foi um processo longo, mas o preconceito que eu tinha foi diminuindo aos poucos. Mais ou menos nessa época do ensino médio, eu comecei a me incomodar com os comentários dos meus pais, mas sempre ficava na minha para não causar confusão.
Voltando ao dia que eu perdi o BV. Bom, eu era um adolescente com muita testosterona sobrando e beijei uma menina e pude apalpar uma bunda diferente da minha sem tomar um tapão na cara. Até então, tava tudo indo muito bem. Eu era bastante amigo dessa pessoa antes de ficarmos, então eu já gostava bastante dela e me iludi muito com o rumo das coisas. Pensei que daria certo, que começaríamos a namorar e tal. Até sobre o nome de cachorros a gente falava hahahah.
Mas, a guria tinha outros planos, tava apenas curtindo o momento e logo passou pra outra. Durou um mês e meio ou dois. Então, após um ""chifre"" colossal, já que ela ficou com o ex e passou o rodo na escola ao mesmo tempo em que ficava comigo, a gente parou de se falar. De um jeito imaturo, talvez, pois eu juntei todas as minhas frustrações e joguei na cabeça dela, sendo que ela já havia deixado claro que a gente não tinha nada sério e eu continuava insistindo.
É claro que, graças a minha querida prima fofoqueira, meus pais souberam que eu e a fulaninha não estávamos mais nos falando, e mesmo assim perguntavam sobre ela em toda oportunidade que tinham. Nisso, eu ouvi alguns comentários estranhos da minha mãe, ela dizia que na escola onde eu estava tinham muitas pessoas que namoravam gente do mesmo sexo e eu tinha que tomar cuidado. Eu estranhei, mas como sou lerdo, não entendi na hora, e resolvi conversar sobre isso com um amigo.

Quando eu percebi que as coisas não estavam indo bem (ainda durante aquele mês e meio), eu usava bastante as redes sociais e conheci um cara que aguentou meus desabafos por bastante tempo, sempre me dando conselhos (e umas broncas haha). Eu comentei sobre a fala da minha mãe com ele e ele respondeu "Menino, a sua mãe acha que você é gay". Eu comecei a rir horrores naquela hora, mas também fiquei bastante inconformado. Eu me perguntava "Por que?". Não que isso me afetasse, eu sempre achei graça e vez ou outra eu conto esse fato pra algum amigo. Sempre ficou a incógnita sobre o porque que os meus pais pensavam isso, e ela ainda existe porque recentemente um cara demorou para acreditar que eu não sou gay, e eu e uma amiga rimos muito dessa situação.
Esse amigo que aguentava meus desabafos é gay. É o primeiro amigo homossexual que eu tive e a primeira pessoa sobre quem eu conversei abertamente sobre sexualidade. Ele é bastante interessado por ciência e psicologia, assim como eu, e me ensinou não só o lado social (a experiência dele sendo gay, descobrindo que gostava de homens e toda a confusão que isso gerou na sua infância/adolescência), como o lado científico da coisa, Escala de Kinsey, Freud e afins. Nessas conversas, eu tive a certeza de que sou hétero, mas acabo não me comportando como é esperado de um.
Tenho muitos primos na casa dos 20, quase todos namorando e alguns morando junto e quase casando com alguém. Vão pra festas, bebem, fumam, dão dor de cabeça pra família. As vezes um namoro termina e sempre aparece um agregado novo depois de um tempo, em média eu tenho um "primo" ou "prima" nova por um ano e meio, no máximo dois. Aí, passa alguns meses e o ciclo se repete.
E eu aqui, o primo solteiro que estuda e não traz menina nenhuma pra casa (salvo em raras ocasiões quando a minha melhor amiga aparece aqui) nem nas reuniões de família. O primo estranho que compartilha muitos posts pró-feminismo e contra homofobia. Cansei de ouvir perguntas sobre namoradas vindo de tios e até da minha avó materna.
Acho que algumas pessoas até pensam que eu escondo alguma coisa dos meus pais. Uma vez eu fui em um churrasco na casa de um amigo e a mãe dele me pediu ajuda para fazer uma mistureba alcoólica qualquer, eu disse que não sabia como fazer e ela não acreditou. Meu amigo precisou ser "testemunha" de que eu não bebo nada e que estava lá só pelo churrasco mesmo hahahaha
E aqui, temos duas cerejas nesse bolo.

A primeira é que o meu melhor amigo, o qual eu conheço desde a segunda série, há pelo menos 14 anos, começou a trabalhar na mesma empresa que a minha mãe. Ele é uma pessoa que eu costumo passar bastante tempo junto, já que nós fazemos trilhas de bike (ou fazíamos, antes da pandemia começar). Como a minha cidade tem grandes áreas verdes, essas trilhas demoram porque a gente sempre tenta explorar um caminho novo. Enfim, durante o trabalho dele, por algum motivo surgiu o boato de que ele é gay. Eu não sei nada sobre isso, ele próprio nunca me disse nada, e nós conversamos sobre muita coisa. Mas a minha mãe veio correndo me contar quando esse boato surgiu. Ela deve ter "adorado" somar 1+1 nessa ocasião.

A outra é meu pai. Tão preocupado em fazer comentários e cuidar da sexualidade dos outros, adorador do capitão cloroquina, e outro dia eu precisei fazer algo no celular dele e percebi que tinha uma aba aberta naquele site com X, e na barra de pesquisas estava escrito, adivinhem? "Bicha" hahahahahaha

Bom, como eu disse, não me incomoda o fato de acharem que eu sou gay. Não faz diferença nenhuma pra mim, na verdade, eu faço piada com isso e boa. O que me afeta nessa história é que eu tenho agora muitos amigos que são "Do Vale" e eu sinto que nunca vou poder convidar eles para me visitar aqui em casa. Tenho medo que ouçam alguma merda aqui.
Enfim, é isso. A quarentena está me fazendo sentir a necessidade de desabafar sobre alguns assuntos e esse foi um deles. Obrigado por ler até o final.
submitted by AlvagorH to desabafos [link] [comments]


2020.07.20 06:48 MaelyzRoza Seu amigo te beijou a força, logo vc é uma vagabunda

Olá Luba e possível convidado, Misty e Galadriel(pss pss pss), editores seus lindos, cabeça do Fodrigo Raro e turma que está a ler.
Como eu sei que vocês adoram histórias de ex, aqui vai logo a história triste do final do meu primeiro namoro envolvendo Nice Guy, relacionamento abusivo e dupla traição por parte do meu ex e do meu melhor amigo na época.
Os nomes já estão alterados então não se preocupem em censurar caso apareça em vídeo.
Eu nos meus inocentes 15 anos tive meu primeiro namorado(vamos chamá-lo de Charlie), mas de cara meu pai não gostava dele pq ele tinha certeza que Charlie não gostava de mim, fica a dica desde agora turma, ouçam seus pais pq o instinto deles não falham. Charlie no começo do namoro era super carinhoso e sempre me dava presentes, sms logo de manhã me elogiando dizendo que eu era maravilhosa, cineminha todo fds e etc. Lá pro nosso 6° mês de namoro esse carinho foi sumindo, mas eu não ligava, pensava que era normal pq ele havia acabado de começar a corrida pro vestibular e então eu achava que eu tinha que ficar na minha e deixar ele quieto pra estudar por que dali a dois anos eu iria gostar que também me dessem meu espaço. Só que a partir dali começaram as brincadeiras imbecis tipo falar do meu peso e do meu cabelo e das músicas que eu gostava e o fato de eu estar correndo atrás de ter uma banda (ele teve banda durante um tempo também e pareceu estar querendo começar a competir comigo), havia também piadinhas machistas desagradáveis entre os amigos e nas redes sociais, tudo isso só piorava e como se não fosse suficiente ele se recusava a me visitar e sempre usava a desculpa do vestibular, eu tonta e apaixonada aceitava, mas meu pai continuava dizendo que nada daquilo era normal num namoro até por que minha irmã também estava em ano de vestibular junto com o namorado e eles sempre estavam juntos e cuidando um do outro, ao contrário de Charlie que parecia sempre me afastar ou exigir que apenas eu me esforçasse pela relação e claro que eu trouxa como era acabava aceitando.
Bom, fechando um ano e um mês de namoro com Charlie, era março eu acho, não tenho certeza, mas era o dia do aniversário de um dos meus melhores amigos, que morava a literalmente 10 minutos da minha casa, vamos chamar esse meu amigo de Bruno. Bruno fez uma festinha e chamou os amigos e a namorada, perguntei a Charlie se ele não queria ir cmg pra conhecer um dos meus melhores amigos, ele se recusou claro e ainda perguntou em um tom meio autoritário se eu realmente iria e eu disse que sim, eu já estava um pouco saturada das brigas e indiferença dele e consegui ignorar a birra dele. Eu cheguei bem cedo na casa do Bruno já que a mãe dele pediu minha ajuda pra cozinhar algumas coisas inclusive algumas pizzas que modéstia a parte faço muito bem, a família dele sempre gostou muito de mim então ajudei de bom grado. Quando acabamos de preparar a comida os amigos do Bruno ainda não vieram, então eu e ele fomos assistir filme na sala, como entre qualquer dupla de amigos a gente compartilhava os problemas e causos dos namoros então eu contei pra ele sobre o comportamento do Charlie e como eu tava um pouco cansada daquilo. O Bruno após ouvir aquilo simplesmente METEU A MÃO NA MINHA COXA E COMEÇOU A ME BEIJAR, eu imediatamente afastei ele muito brava, perguntei que m***** ele estava fazendo (vamos lembrar que o Bruno também tinha namorada), ele ficou sem reação, depois tentou falar algo sobre gostar de mim e só estava com menina atual pq eu estava com o Charlie entre outras coisas do gênero que não me lembro agora. Eu comecei a chorar com muita raiva e confusa, simplesmente quis ir embora, pedi licença a mãe dele e saí dali o mais rápido que podia, eu só pensava em como me senti agredida e o quanto eu queria ver o Charlie.
Mas o pior vai acontecer agora.
No dia seguinte eu contei ao Charlie o que houve, não omiti nada, afinal eu tinha a consciência limpa que na verdade eu havia praticamente sofrido um assédio e não tinha culpa de nada, tudo o que eu queria era abraçar meu namorado e me sentir segura. Charlie fez totalmente o oposto do que eu esperava, ele disse que se o Bruno havia me atacado foi por que eu estava "dando chance" do nada o menino surtou e me disse coisas horríveis do gênero "eu não acredito que você fez isso comigo, eu confiava em você" como se eu tivesse traído ele, quando na real eu fui atacada. Depois disso Charlie terminou comigo e passou-se outra semana dele dizendo coisas horríveis sobre mim inclusive na escola que estudávamos pros nossos colegas em comum. Eu sei que mesmo com os problemas eu não queria terminar daquela forma e foi um baque horrível na minha e autoestima esse fim de namoro, cheguei até mesmo a ter um desmaio no meu treino de muay-thai pq fazia quase uma semana que eu não me alimentava direito depois do término e até mesmo em alguns treinos eu chorava pq não estava magra como queria achando que foi meu peso que fez o Charlie ficar frio comigo e a situação com o Bruno foi só a desculpa que ele estava procurando pra ir embora. Hoje em dia eu sigo em terapia pra superar esse e mais alguns traumas da minha adolescência, mas eu percebi que nunca mais tive envolvimentos amorosos com significado real pra mim e estou solteira até então (insira aqui o Luba dizendo vou morrer sozinho kkkk). Sobre o Bruno, eu disse pra ele esquecer que eu existia e que ele deveria ter mais respeito por uma amiga e pela namorada dele.
É isso turma, espero que gostem da história e que sirva de lição pra quem não caiu fora logo de uma relação de merda como eu não fiz de cara, não façam isso com vocês mesmos, ninguém merece isso, beijos menor que treixxxxx.
submitted by MaelyzRoza to TurmaFeira [link] [comments]


2020.03.11 00:37 Idalen Queria fazer novos amigos

Texto longo e provavelmente incoerente, eu só quero jogar o que sinto para fora.
Faz um ano que vim para São Carlos, interior de São Paulo, o que foi um presságio de algo muito bom já que finalmente eu iria começar o curso de computação em uma universidade de excelência e etc e tals. Tudo parecia estar no caminho certo. Mas não está sendo fácil como eu achei que seria.

Minha Adolescência

Anteriormente eu morava em Itabuna, na Bahia, onde passei da minha infância até os 17 anos, inclusive os anos da adolescência. Ah, os anos entre os 15 e os 17. Parece um período curto de tempo, afinal, são apenas 3 anos. Porém, foram os anos em que eu mais me senti vivo em toda a minha vida.
Neles, fiz minhas amizades mais afetuosas, as quais mantenho até hoje, apesar da distância e que carrego com muito carinho na minha memória. Tínhamos bastante coisa em comum e eles me consideravam bastante, portanto isso sempre me trouxe um sentimento de pertencimento muito forte e seguro. Eu sempre fui meio fechado e tenho certa dificuldades de fazer amigos, tê-los encontrado é uma das coisas que me deixa grato ao acaso até hoje.
Além disso, foi o período em que comecei a me aproximar do meu pai. Nós sempre tivemos uns desentendimentos (principalmente em relação a ele e minha mãe serem divorciados), mas no final desses anos comecei a vê-lo como amigo, o que mudou muito meu afeto por ele. Também me aproximei mais dos meus irmãos pequenos, na medida em que eles cresceram. Fico triste em passar o tempo de todo dia sem poder compartilhar um minuto com eles.
Outro ponto marcante desse período foi o meu primeiro (e último) namoro e amor. Era uma relação extremamente caótica e complicada, mas eu nunca havia sentido aquilo antes, aquela intensidade, a sensação de que tudo podia acabar e estaria tudo bem. Certamente, esse amor foi a coisa mais pura e danosa que já senti em toda a minha vida. Confuso e conflitante, bagunçou minha cabeça e reverbera até hoje. Mas bem, foi adorável.
Apesar dessas memórias, que são boas de certa forma, eu também sei que minha adolescência foi o período mais caótico e triste da minha vida. Eu vivia entalado de pensamentos niilistas, me sentia sem objetivos o tempo todo, odiava a escola, vivia tendo problema com meu pai e a minha namorada, minha mãe desenvolveu um quadro de depressão complicada e a morte do meu avô.
Foi certamente a fase mais complicada da minha vida, mas mesmo assim, eu a vejo como se fosse o auge. Fiz meus melhores amigos, meu maior amor, conheci minhas bandas preferidas até hoje, defini quem eu sou até hoje, meus gostos, meus comportamentos, minhas opiniões. É como se eu só me sentisse eu depois dessa fase, mesmo ela sendo tenebrosa. Esses 3 anos(2015-17) pareceram muito mais longos do que os últimos 3 (2018-20), é como se eu tivesse vivido mais.
E aí entra o presente.

(Um pouco antes do) Presente

Bem, logo após o ensino médio, a maioria dos meus amigos foram para outra cidade e os que ficaram tomaram rumos diferentes do meu. Eu fiquei fazendo o pré-vestibular, até que ocorre o término com a minha ex depois de muitas turbulências. Então decido morar com a minha mãe e fazer um cursinho em Vitória da Conquista -BA.
O ano do cursinho foi bem insosso, eu passei ele inteiro praticamente estudando para passar no vestibular. Além disso, eu também desenvolvi muitas reflexões que me ajudaram a ajeitar alguns conflitos internos que surgiram anos antes (obrigado existencialismo e Antídoto ). No final do ano, fui passar dois meses em Campinas -SP para fazer as provas de vestibular. Eu realmente sentia que passar numa faculdade de excelência fosse a forma de me redimir com meus pais por não ter dado valor aos estudos durante o ensino médio. Era como se fosse minha obrigação por ter vindo de uma família onde meus pais sempre me apoiaram de todas as formas possíveis.
Já em Campinas, eu passei 2 meses sozinho em uma cidade onde não conhecia ninguém. Acho que foi o tempo em que me senti mais triste. Fiquei meio que 2 meses inteiros sem fazer nenhum contato com ninguém que não fosse a atendente do mercado onde comia. Eu não tinha ânimo para estudar nem fazer nada inclusive coisas que eu sempre gostei como games e filmes.
Eu sempre fui meio deprê e pessimista, esse tempo intensificou bastante essas características. Olha, eu realmente sei que meus problemas não são os dos mais sérios, que tem muita gente que sofre mais do que eu e que eu sou só um garoto de classe média extremamente mimado que nunca teve nenhum problema real na vida. Eu realmente não tenho o direito de estar depressivo. Mas eu estava de qualquer forma, eu não conseguia fugir disso.
Depois das provas, voltei pra Bahia, foi muito bom estar de volta e umas das minhas férias mais felizes. Em meados de janeiro, fui aprovado pela Fuvest. De cabelo raspado e com todos os meus amigos e familiares, posso dizer que foi um ótimo momento (apesar de ter durado um pouco menos de um mês). Após isso, fui para Ribeirão Preto -SP, de onde fui para São Carlos depois, onde estou até agora

(Agora sim o) Presente

A princípio tudo parecia ótimo, iria morar só e fazer o curso que eu queria. Bem, se passaram quase dois anos e eu me sinto um fracasso. Sou um fracasso na faculdade, não consigo estabelecer relações sociais com quase ninguém e também não consigo ser participativo em nenhum projeto ou atividade. Eu sou inseguro demais, sinto meu corpo tosco demais e minha mente estúpida demais.
Sinto como se todos os meus colegas estivessem um passo na minha frente dentro do curso, todos tem experiências prévias e sempre parecem super interessados nos estudos. Eu gosto das matérias no geral, mas não tenho esse anseio por conhecimento nem acho uma derivada algo maravilhoso. Sempre fui mais interessado em músicas, filmes e filosofia (também tecnologia, mas não no nível da galera do curso). Coisas como essa me trazem uma dificuldade enorme de me aproximar dos meus colegas de sala.
Eu também nunca fui de beber e ir em festas no estilo festas de república. Isso me faz me sentir meio descolado. Tentei ir em algumas aqui com uns colegas mais próximos, mas eu não consigo me sentir pertencente a essas atividades. Eu nunca cheguei em uma garota em toda a minha vida (não que eu seja virgem ou frustrado com mulheres por causa disso), mas com todas as garotas com quem eu fiquei havia um envolvimento emocional que me fazia sentir atraído e confortável. Isso não existe nos flertes das festas. Fiquei apenas com uma garota até agora e eu nunca conversei normalmente com ela. Eu me sinto tão estranho e tão reprimido por causa disso. Eu realmente queria poder me curtir esse ambiente sem me sentir estranho.
As amizades que eu fiz até agora eu separo em dois tipo: Os festeiros. São aqueles que adoram ir em festas, se embebedar, dançar e ficar com pessoas. Coisas que eu não gosto de fazer mas tento para me sentir enturmado. E os nerds incel. Beleza mano, eles tem um lado legal e tals, mas eu detesto esses caras que acham que uma mulher é vagabunda por que ela fica com mais de um numa festa. Isso me deixa extremamente revoltoso, mas eles são as únicas pessoas que consegui me conectar aqui. No total, são umas 8 pessoas.
Geralmente passo o tempo só em casa, o único lugar que gosto nessa cidade. Vejo filmes, tento compor umas músicas, estudo. Mas sinto muita falta de ter amigos próximos como foram os do ensino medio, de estar próximo dos meus irmãos e dos meus pais diariamente, de estar seguro em um amor com alguém, de conhecer a cidade onde moro, de não me sentir tão só.
Eu só queria ter amigos aqui, no fundo no fundo. Um texto enorme não teve utilidade alguma, mesmo que eu me sinta mal, eu nem deveria me sentir. Eu só queria ter um certo prazer de estar vivo. Sinto como de estivesse gastando meu tempo aqui de forma descontrolada. Obrigado a quem leu até aqui.
submitted by Idalen to desabafos [link] [comments]


2018.11.12 17:14 aureliano_babilonia_ Masculinidade tóxica é uma fábrica de homens infelizes e inseguros

Um casal de amigos meus está se separando após quase 10 anos juntos, contando namoro e casamento. Somos de um círculo de amigos bem fechados e bem próximos, todo mundo se conhece desde a adolescência. Então acaba ficando mais fácil a gente saber exatamente o que está se passando com cada um.
Combinei com uma amiga minha dela se aproximar e ficar mais atenta à mulher do relacionamento enquanto eu fazia minha parte com o homem. O básico mesmo. Escutar, chamar para sair, sondar para ver se tinha alguma esperança de retorno, estar presente para os momentos mais tensos.
Diante disso tudo, me deixa realmente triste como a masculinidade tóxica é imbecil e fode o homem sem que ele perceba. Nem vou entrar aqui no mérito do impacto deste mesmo comportamento na vida das mulheres, mais para o lado de como a insegurança quebra a pessoa justamente nos momentos em que ele mais preciso.
O lado dela: minha amiga é muito próxima da mulher separada nesse caso, então é o tipo de pessoa para quem ela faz as principais confissões. Na boa, ela está fazendo tudo que - pelo menos eu considero - é certo.
Não está saindo com ninguém. Está aproveitando esse momento inicial do divórcio para focar no trabalho e numa pós na qual se inscreveu para distrair a cabeça. Tá vestindo um luto emocional mesmo aos finais de semana, no máximo sai para correr ou visitar os pais, aproveitando para botar os livros e séries em dia. Está triste para caralho, mas está sóbria e dando um passo de casa vez. E cabe falar aqui: é muito bonita, podia estar aloprando agora se quisesse. Mas disse que quer ficar na dela um bom tempo antes de qualquer coisa, até para ter certeza da decisão sobre o divórcio.
O lado dele: é um cara meio em cima do muro politicamente, não é de esquerda e nem de direita. Mas foi criado numa casa bem conservadora, então é o tipo de cara que tem vergonha de andar de rosa ou de acharem que ele é gay porque ele não pegou determinada mulher.
Quase tudo que você pode entender como masculinidade tóxica ou machismo, ele tem. É um daqueles man-child que não sabe cozinhar, arrumar a casa ou manejar finanças. Ganha bem, mas não guarda dinheiro. Só conseguiu dar uma estruturada financeira na vida e fez alguns investimentos porque a esposa pentelhou.
Assim que terminou o casamento, começou a sair com garotas de programa de luxo. Trabalha em um segmento em que quase todo mundo do trabalho é full "tradicional família brasileira - versão fake". Ou seja, 'conservadores' que conhecem o mapa dos puteiros do Centro do Rio como a palma da mão (não estou dizendo que todo conservador é assim, até porque muita gente à esquerda tem o mesmo comportamento).
As recomendações dos caras são estapafúrdias. Tem até um adepto dessas técnicas de pick-up artist (PUA) que está aconselhando ele também. "Tenho que mostrar para ela quem é que manda e que estou bem". Saiu com uma menina no Tinder e fez questão de mandar a foto da menina para a ex-mulher, só para vocês entenderem o nível da falta de noção.
A gente corre junto algumas vezes por semana e as primeiras semanas pós-divórcio ele anda full influenciado pela galera do trabalho. "Não vou ficar sem foder, né?". "Na verdade, esse divórcio foi uma benção". "Vou aproveitar tudo o que eu queria agora". "Vou mostrar para ela que sou muito maior do que ela e do que tudo isso".
Agora o cara vive numa montanha-russa emocional absurda. Tentei dar uns conselhos. Pedi para ele esperar a poeira baixar antes de sair com alguém, que sair comendo qualquer uma não ia curar nenhuma ressaca emocional. Que esse papo de "não posso ficar um mês sem comer ninguém" é papo de retardado, a não ser que ele seja o Tiger Woods e realmente tenha probleminha na cabeça.
Quando eu soube por ele dessa história de mandar essa foto da menina com quem saiu uma vez para ela (primeiro a mulher contou para a nossa amiga, algumas semanas depois ele me confessou isso chorando), só expliquei que ele cada vez mais confirmava as reclamações dela. Que ele era inseguro, que ele era impulsivo, que ele era imaturo. Nas brigas, queria sempre tentar sair por cima para manter a moral. E tudo que ele andava fazendo era queimar pontes.
Não é a primeira vez que vejo um divórcio ou fim de um longo relacionamento acabar dessa forma. Geralmente é o homem tentando mostrar que é homem e negando que a tristeza existe. Aliás, além dessa masculinidade tóxica, outra coisa que as pessoas parecem cada vez mais se negar a aceitar é a própria tristeza. Repetir mantras de que você é feliz ou emanar good vibes não aplaca a solidão ou a depressão de ninguém, só reforça essa falsa sensação de que todo mundo ao seu redor está feliz - só você que não.
Entre mulheres, ainda vejo mais suporte. Ainda vejo mulheres que admitem estar tristes ou que se abrem com mais facilidade para amigas. Entre homens, muitas vezes rola aquela questão da 'fraqueza', de não expor, de ter que mostrar que você é forte. E aí a gente cria essa geração imatura que não sabe lidar com tristezas e frustrações em geral.
Enfim, só queria dividir esse desabafo e essa história. Não é a primeira vez que vejo homem agindo assim após relacionamento, e sei que não vai ser a última.
submitted by aureliano_babilonia_ to brasil [link] [comments]


2018.11.07 00:52 RandomGuy180918 O padrão de qualidade de uma família brasileira típica.

Sou um adolescente,recentemente namorei uma garota,tudo ia bem no inicio,mas com o tempo essa garota demonstrou comportamentos estranhos e ela me disse que não poderiamos namorar por proibição do pai dela. Eu fiquei triste inicialmente mas decidi fazer uma ultima coisa antes de seguir em frente,falar com a mãe que aparentou gostar de mim para a mãe nos apoiar e falar com o pai dela. Eu fui até a casa dela e eu fui recebido com hostilidade pela garota,ja a mãe me recebeu bem conversou comigo e me disse que não haveria possibilidade de eu ficar com a garota por conta do pai,e a garota me tratou feito um lixo aquele dia e me pediu pra não ver ela. Eu segui em frente,mas me chegou a informação de que ela estava ficando com pessoas a torto e a direita dentro do ambiente escolar,não só isso mas ela ficou com outras pessoas durante o tempo de namoro antes do pai proibir. Eu decidi ir falar com a mãe sobre isso,a mãe disse que não via problema ela ficar com pessoas a torto e a direita,dizendo que é coisa de adolescente,não viu problema na traição e disse que a filha não estava namorando então não tinha problema,e eu perguntei na lata se ela gostava de ter uma filha com reputação de puta,ela me disse que reputação não existe que as pessoas pensam e falam oque quiserem,me expulsou de la e me ameaçou de me espancar junto de alguns rapazes caso eu passe naquela rua novamente. Eu estou feliz em ter me livrado de tamanha toxicidade da minha vida,é engraçado que namorar sério é proibido por essa mãe,mas deixar pessoas passarem a mão na filha e usarem ela da maneira que vejo não é grande coisa e é só uma fase normal da adolescência. Agora ela é má falada,os garotos se vangloriam de que "pegaram" ela e em resumo ela se categoriza como uma puta. Eu me recuso a aceitar isso como normal e essa mãe é uma falha completa em seu papel materno,considerando a educação que deu a sua filha,além de sua outra filha que engravidou aos 15-16 anos e aos 21 anos já possui 2 filhas com homens diferentes. Estou feliz de ter me livrado dessas pessoas toxicas sem valores morais da minha vida,seria esse o tão chamado padrão familiar brasileiro?espero que não.
Acho interessante criar esse post para as pessoas saberem que familias desse tipo existem,nenhum fato foi alterado dentro do post para me fazer parecer o mocinho da história,pelo contrário eu ter ido tirar satisfação e xingar a garota de puta na frente da mãe foi um comportamento tóxico,mas que vi necessário para não viver com essa raiva dentro de mim,tudo isso ocorreu no estado de SP caso seja de alguma relevância esse dado.
A proibição do namoro é um fato e não uma mentira,logo que tenho como confirmar isso,apenas acho bizarro ela não poder namorar sério por ser nova,mas deixar passarem a mão nela e ficar com vários rapazes diferentes não ser errado.
TL:DR Uma mãe e um pai proibem um namoro,mas tem como normal a filha estar passando de mão em mão em seu ambiente escolar,além de verem como normal ela ficar com múltiplas pessoas durante um namoro,esses mesmos pais possuem uma filha de 21 anos que engravidou com 15-16.Eliminei essas pessoas tóxicas da minha vida e estou seguindo em frente.
submitted by RandomGuy180918 to brasilivre [link] [comments]


Pedido de namoro - Alex e Karol Cardoso (HD) - YouTube NAMORO NA ADOLESCENCIA 2020 , 10 PROVAS QUE NAMORAR SÉRIO ... Namoro na pré-adolescência - Site Namoral - YouTube NAMORAR NA ADOLESCÊNCIA NAMORO NA ADOLESCÊNCIA - YouTube 8 MOTIVOS PARA NÃO NAMORAR NA ADOLESCÊNCIA COMPORTAMENTO E SEXUALIDADE SEGUNDO FREUD  PEDRO DE SANTI ... Namoro na Adolescência: COMO FAZER FUNCIONAR?  PISTOLADA ... Namoro na adolescência

Namoro na adolescência: veja como não quebrar a cara e não ...

  1. Pedido de namoro - Alex e Karol Cardoso (HD) - YouTube
  2. NAMORO NA ADOLESCENCIA 2020 , 10 PROVAS QUE NAMORAR SÉRIO ...
  3. Namoro na pré-adolescência - Site Namoral - YouTube
  4. NAMORAR NA ADOLESCÊNCIA
  5. NAMORO NA ADOLESCÊNCIA - YouTube
  6. 8 MOTIVOS PARA NÃO NAMORAR NA ADOLESCÊNCIA
  7. COMPORTAMENTO E SEXUALIDADE SEGUNDO FREUD PEDRO DE SANTI ...
  8. Namoro na Adolescência: COMO FAZER FUNCIONAR? PISTOLADA ...
  9. Namoro na adolescência

Nossa repórter mirim conversa com a terapeuta de família, Cláudia Agrícola, sobre a importância do namoro na pré-adolescência. Muito legal!! Inscreva-se no meu canal em inglês: https://www.youtube.com/c/youcancallmerachel Meu livro A Minha Primeira Vez : https://www.amazon.com.br/dp/B07L5XPFPS Min... (EU SÓ FILMEI, NÃO SOU EU NO VÍDEO!!) ... CURTAM MINHA PÁGINA NO FACEBOOK: https://www.facebook.com/BrunoRausch.Fotografia Colégio de Aplicação da UNIVALI - ... #namoronaadolescencia2020 #namoroprimeiroencontro, #namoroadistancia, #namoronaadolescencia2019, #namoronaadolescencia2020, #namoronaadolescencia2018, • http://twitter.com/christian_fig TWITTER • http://www.facebook.com/christian.figueiredo FACEBOOK • http://instagram.com/christian_fig INSTAGRAM • CONTÁGIO ... This feature is not available right now. Please try again later. Namoro na adolescência Nataly Campos - Não Hackearam a Minha Fé ... Fim de namoro, como superar? Com Fabi Santina - Duration: ... Comportamento à mesa - Duration: 1:37:22. ----- Inscreva-se no canal - http://smarturl.it/CasadoSaber Vídeos novos terças e quintas às 10h. Para contratar um dos professores da Casa do Saber como pal... Amor na Adolescência, se puder, evite. Agora, vamos supor que você não pode resistir e se apaixonou. COMO FAZER UM NAMORO NA ADOLESCÊNCIA FUNCIONAR? No Pisto...